segunda-feira, 3 de junho de 2013

Cavalinha


 

Portugal pode justamente considerar-se uma das reservas mundiais de flora medicinal, dado que dispõe de ótimas condições para a produção e crescimento natural de diversas espécies. Sobre a planta medicinal que iremos abordar a cavalinha, podemos dizer que, só o concelho de Sesimbra possui, quantidade suficiente para abastecer todo o mercado europeu. E isto de uma forma absolutamente natural, sem ser preciso semear, nem adubar, nem sachar, basta simplesmente colher por aquelas magnificas paisagens.
 
A cavalinha, Equisetum arvense,  é uma planta medicinal vivaz da família das equissetáceas, que teve a sua origem em épocas geológicas muito recuadas. Esta planta é um autêntico fóssil vivo, não floresce, não possuindo portanto sementes.
 
                                               
 
QUANDO DEVE SER COLHIDA E GUARDADA
 
Deve ser colhida dos solos arenosos e húmidos, no Verão e seca à sombra. Depois de ser cortada em pequenos pedaços, convém guarda-la em frascos ou outros recipientes herméticos. E assim consegue-se conservar as suas propriedades por alguns anos.
 
QUAL A COMPOSIÇÃO DA PLANTA MEDICAL
A cavalinha contém na sua composição; potássio, ferro, tanino, cálcio, sódio, magnésio, enxofre, e sobretudo o silício, entre outros.
 
BENEFÍCIOS DA CAVALINHA
Os naturopatas são unânimes acerca das extraordinárias virtudes curativas da cavalinha. Aqui ficam as opiniões de três especialistas de renome mundial, sobre os benefícios desta planta medicinal.
 
Famoso naturopata Kneipp, considera a cavalinha, uma das doze plantas medicinais mais incontornáveis e recomendava-a para o combate ás seguintes enfermidades:
-Gripe, Catarros, Resfriados, Reumatismo, Gota, Hidropisia, Ciática, Hematomas, Herpes, Cárie, Pés gretados, Hemorroidal, Cálculos, Doenças dos rins, Fígado, Baço e Bexiga, Hemorragias e Cancro. É na realidade uma lista impressionante mas ainda assim incompleta.
 
O espanhol Ferran Comas aconselha-a para o bócio, as inflamações oculares e tuberculose.
 
Médico chileno Lazaeta Acharan gaba a sua eficácia extraordinária na cicatrização de todo o tipo de feridas, a rapidez com que estanca as hemorragias e a capacidade que a cavalinha tem para limpar as impurezas do organismo, essencialmente por ação do silício solúvel de que é extremamente rica.
                  
COMO UTILIZAR PARA FINS TERAPÊUTICOS
O modo mais divulgado para beneficiar das suas propriedades ativas, consiste em preparar uma infusão deixando ferver a planta medicinal, pelo menos dez minutos. É conveniente não coar de imediato, pois a cavalinha continua a libertar princípios ativos após a fervura. O chá daí resultante, torna-se assim mais concentrado e adquire uma cor mais avermelhada (paladar agradável e não possui contraindicações). Para meio litro de água utilizamos 50gr de cavalinha seca, se for cavalinha ainda verde duplica-se a quantidade a colocar na água.
O concentrado da cozedura da cavalinha também pode ser utilizado, para juntar á água do banho, dando também ótimos resultados á sua pele.
Para males respiratórios aconselha-se a aspiração de vapores da cozedura da planta medicinal.
 
DICA
Por fim há ainda quem recomende misturar os rebentos tenros nas saladas cruas, ou usar o pó para temperar a comida já que a cavalinha é um ótimo remineralizante muito rico em cálcio, silício e outros sais minerais.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...