domingo, 19 de maio de 2013

Como preparar tintura, pomadas, chá, com ervas...

                                              

TINTURAS

As tinturas são usadas quando se quer que os princípios ativos de uma planta alcancem mais rápido possível a circulação, para atuarem sobre os órgãos afetados. Isto acontece a absorção desses princípios ativos já pela mucosa da boca.

A — Modo de Preparo
— Tornar 50g da parte do vegetal a ser usada (folhas, caule, raízes, cascas, planta toda, etc.) e cobrir com 1/2 litro de álcool (proporção de 1:10), dentro de um frasco de vidro transparente e bem fechado. Colocar o frasco ao sol durante 1 semana e em seguida coar o conteúdo através de um pano limpo. Após 1 dia, passar esse líquido coado em um filtro de papel.

B — Dosagens Normais
a) Adultos: 15 a 20 gotas, uma a três vezes por dia.
b) Adolescentes e crianças maiores de 7 anos: 10 a 15 gotas, uma a duas vezes por dia.
c) Crianças de 1 a 7 anos: 5 a10 gotas, uma a três vezes por dia.
d) Lactentes: 1 a 5 gotas, uma a três vezes por dia.

-  Observações
— As tinturas, por conterem álcool, devem ser diluídas em um pouco de água, ao. tomarem as gotas.

UNGUENTOS E POMADAS

As substâncias terapêuticas das plantas podem, através de unguentos e pomadas, permanecer mais tempo sobre a pele, atuando mais demoradamente sobre ela e sobre os órgãos mais externos. São empregados para as mesmas finalidades das cataplasmas.

— Modos de Preparo e Dosagens Normais
a) Misturar a erva amassada a uma substância gordurosa (vaselina, lanolina, gordura coco ou de amendoim).

b) Misturar o suco da erva a uma substância gordurosa (veja acima) e acrescentar pouco de cera de abelha.

c) Cozinhar, por 2 a 3 minutos, 1 a 2 colheres das de sopa da erva em 200g de vaselina mexer bem e coar em seguida. Deixar esfriar e guardar num vidro, usando necessário.

d) Os unguentos e pomadas devem ser renovados uma a três vezes por dia.

 XAROPES

Usados quando se quer melhorar o sabor de certas ervas medicinais, para pessoas possuem paladar sensível, crianças, etc. São indicados principalmente nas tosses, catarros pulmonares, bronquites, etc. Não é aconselhável para diabéticos.

 — Modos de Preparo
a) Misturar sucos, macerados ou decoctos com mel, meio a meio.
b) Ferver por pouco tempo (2.3 minutos) l00g das ervas secas ou frescas em 1 litro água, deixar repousar por 2-3 dias, e então espremer e filtrar. Em seguida, adicionar açúcar a esse suco, na proporção de 1/2 quilo para cada litro.

 — Dosagens Normais
a) Adultos: 1 colher das de sopa uma a três vezes por dia.
b) Adolescentes e crianças maiores: 1 colher das de sobremesa uma a três vezes por dia.
c) Crianças pequenas: 1 colher das de chá uma a três vezes por dia.

PÓS MEDICINAIS

Os preparados de ervas medicinais, sob a forma de pó, são usados tanto interna quanto externamente.

 — Modo de Preparo
— Secar bem as ervas e triturá-las bastante, até se tornarem pó.
— Dosagens Normais
a) Uso interno: diluir 1 pitada do pó em um pouco de água e tomar três vezes por dia, 30 minutos antes ou após as refeições.
b) Uso externo: misturar o pó em óleo, vaselina ou em um pouco de água e aplicar sobre a pele nos casos de ferimentos, inflamações, contusões, etc.

ÓLEOS MEDICINAIS

Usados quando não se podem fazer pomadas ou compressas.

Modo de Preparo.
— Pegar uma mão-cheia de ervas secas ou frescas, colocá-las em um frasco transparente, despejar óleo de oliva sobre elas, fechar bem e deixar por 2 a 3 semanas direto ao sol. Filtrar em seguida e separar a eventual camada de água que se pode formar.

— Observações
a) Na falta do óleo de oliva, pode-se usar outro óleo de boa qualidade (girassol, milho, etc.).
b) O óleo de ervas deve ser conservado em vidros marrons.

GARGAREJOS E BOCHECHOS

São indicados nas afeções da boca e garganta (gengiva, mucosas, amígdalas, faringe). Os chás a serem usados são introduzidos na boca, aos goles, e então agitados sob a forma de bochechos ou gargarejos.

 — Modo de Preparo e Dosagens Normais
— Preparar o chá, por decocção, na proporção de 1 a 2 colheres das de sopa da erva para cada xícara de água - “chá por decocção”).
— Este chá é usado em gargarejos e bochechos, repetidas vezes ao dia, até a melhora dos sintomas.
— Após o uso, o chá é expelido pela boca.
— Essas lavagens bucais são recomendadas também preventivamente na higiene matinal e noturna, utilizando-se ervas anti-sépticas ou outras.

INALAÇÕES

Consistem no aproveitamento da ação conjunta do vapor de água quente com o aroma de substâncias voláteis (por exemplo, eucalipto, alecrim, erva-macaé, etc.), sendo indicadas geralmente nas afeções catarrais das vias respiratórias.

— Modo de Preparo e Dosagens Normais
— Colocar a erva a ser usada numa vasilha com água fervente, na proporção de 1 colher das de sopa da erva fresca ou seca para cada 1/2 litro de água; aspirar lentamente o vapor, expelindo-o a seguir, respirando assim ritmicamente por uns 15 minutos.

— A vasilha pode permanecer ao fogo, para manter a produção de vapor.
— O uso de um pequeno funil de papel duro (cartolina, por exemplo) para permitir a aspiração do vapor, bem como o uso de uma toalha sobre os ombros, a cabeça e a vasilha, aumenta a eficiência do tratamento.

— Geralmente devem ser feitas de uma a três vezes por dia.
— A preparação e o uso das inalações requerem em geral um cuidado muito rigoroso, principalmente quando se trata de crianças, pelo risco de queimaduras, tanto pela água quente quanto pelo vapor.
 

BANHOS

Através dos banhos de ervas a pele é estimulada, purificada e massageada pelas substâncias nelas contidas. Todo o organismo pode também ser beneficiado pelos efeitos calmantes, estimulantes, refrescantes, aromáticos, etc, que as diferentes ervas possuem.

 — Modos de Preparo e Dosagens Normais

a) Fazer um chá por infusão ou decocção, na proporção de uma mão-cheia de ervas secas ou frescas para 1 litro de água; coar e misturar na água que servirá para o banho.

b) Pegar uma mão-cheia de ervas secas ou frescas, envolvê-las em um tecido macio e fino, costurar em volta fazendo um saquinho e deixar boiar na água do banho.

c) Os banhos (de corpo inteiro ou parciais) geralmente são prescritos uma vez por dia.

- SUCOS

Os sucos, obtidos de plantas frescas, aproveitam muito mais as vitaminas, sais minerais outras substâncias, que são destruídas pelo calor usado ao se fazer o chá.

A — Modos de Preparo
Os sucos podem ser preparados em centrífugas, no liquidificador ou manualmente.

a) Se as frutas, as hortaliças ou as ervas são suculentas, cortá-las em pequenos pedaços e usar a centrífuga.

b) Na ausência de centrífuga, envolver as frutas ou ervas suculentas em um tecido fino e espremê-las por torção, recolhendo o líquido num recipiente.

c) Se as frutas, as hortaliças ou as ervas não têm muito líquido, cortá-las em pedaços pequenos, esmagá-los em um pilão até que sejam transformados numa pasta, para em seguida coá-la, podendo-se, nestes casos, acrescentar pequena quantidade de água. No lugar do pilão, pode-se usar o liquidificador por curto tempo, acrescentando-se também pequena quantidade de água para facilitar a operação.

— Dosagens Normais

a) Adultos: 1 colher das de chá do suco fresco diluído em um pouco de água, três vezes por dia (ou mais, se necessário), 30 minutos antes das refeições.

b) Adolescentes: metade da dosagem acima.

c) Crianças de 5 a 10 anos: 1/3 da dosagem dos adultos.
 d) Crianças de  1 a 5 anos: 1/4 da dosagem dos adultos.

 C — Observações
Os sucos são muito ricos em vitaminas e sais minerais, porém, como a sua validade é curta, devem ser usados sempre frescos, nunca se deve prepará-los com antecedência.

CHÁS

— Modos de Preparo e Dosagens Normais
De acordo com a composição e as qualidades de cada erva ou planta medicinal, o chá deve preparado de diferentes formas:

a) Por maceração
— Colocar de molho em água fria 1 a 2 colheres das de chá das ervas secas ou frescas para cada xícara de água, por um período de 12 a 18 horas para as partes tenras das plantas, e de 18 a 24 horas para as partes mais duras, à temperatura ambiente. Em seguida aquecer tudo levemente, coar e beber o chá, de preferência sem adoçá-lo, 3 a 5 xícaras por dia.

— Esta forma de preparo é indicada geralmente para plantas ricas em óleos essenciais (aromáticos) e em substâncias mucosas. Assim se aproveitam também as vitaminas e os sais minerais contidos em certas ervas.

b) Por infusão
— Despejar água fervente sobre as ervas secas ou frescas, na proporção de 1 a 2 colheres das de chá da erva para cada xícara de água; tapar bem o recipiente e deixar repousar assim por 5 a 10 minutos. Em seguida coar e tomar o chá, de preferência sem adoçá-lo, 3 a 5 xícaras por dia.

— Esta forma de preparo é indicada geralmente para as partes mais delicadas e “nobres” das plantas, ou seja, as flores, as inflorescências e as folhas tenras, que liberam mais facilmente seus princípios ativos.

— Se forem usadas as cascas, os talos e as raízes, ou seja, as partes mais duras, deve-se picar tudo previamente, e o tempo de repouso na água fervente deve ser de 20 a 30 minutos.

c) Por decocção
— Colocar num recipiente adequado, contendo água fria, as ervas secas ou frescas, na proporção de 1 a 2 colheres das de chá da erva para cada xícara de água, levar ao fogo brando e cozinhar por 3 a 30 minutos. Em seguida deixar em repouso por alguns minutos, coar e tomar o chá, de preferência sem adoçá-lo, 3 a 5 xícaras por dia.

— Esta forma de preparo é indicada geralmente para as partes mais duras das plantas, ou seja, as raízes, as cascas, os talos, as sementes, etc., que liberam mais dificilmente seus princípios ativos. Para o seu preparo, elas devem ser bem picadas previamente e fervidas por 10 a 30 minutos.

— Se forem usadas as partes mais tenras das plantas, ou seja, flores e folhas, o tempo de cozimento deverá ser mais curto, geralmente de 3 a 5 minutos.

— Quando se usam no mesmo chá as partes brandas e as partes duras das plantas, seu cozimento deverá ser feito em separado.

1) Por tisana
— Deixar a água ferver e, então, acrescentar as ervas secas ou frescas, na proporção de 1 a 2 colheres das de chá da erva para cada xícara de água, tapando em seguida o recipiente. Deixar ferver por mais 3 a 5 minutos e retirar do fogo. Após alguns minutos de repouso, coar e beber o chá, de preferência sem adoçá-lo, 3 a 5 xícaras por dia.

 — Observações
a) Para o preparo dos chás, recomenda-se o uso de recipientes esmaltado, inoxidáveis, de vidro, de barro ou de louça, nunca de metal (alumínio, ferro ou estanho).

b) Na ausência de balança, pode-se usar a seguinte medida como auxílio: 1 colher de sopa de folhas verdes equivale, aproximadamente, a 5 gramas e, de folhas  e de folhas secas, a 2 gramas.
c) Para gargarejos, inalações, compressas e outros usos externos, a concentração d chás deve ser mais forte do que para uso interno.
d) Se se tiver de adoçar o chá, deve-se utilizar apenas o mel.

e) Devem-se preparar as quantidades a serem tomadas logo, nunca guardando-as p um período longo, e muito menos para o dia seguinte.
f) O uso contínuo de um mesmo chá não deveria ultrapassar 1 a 2 meses.
g) A dosagem para as crianças deve ser a metade das que foram indicadas, que si para os adultos.
h) Os chás devem ser tomados longe das refeições (1 hora antes ou 2 horas após), com exceção daqueles que são estimulantes do apetite.
i) Para afeções catarrais, pulmonares, da garganta, resfriados e afeções febris, devei tomar o chá quente.

 COMPRESSAS

As compressas atuam na medida em que os princípios ativos das plantas penetram através da pele, estimulando assim os tecidos é órgãos subjacentes. São usadas nas hemorragias externas, feridas, contusões, etc. O calor das compressas também permite que sua ação estenda a alguns órgãos sob a pele. Em contusões e em muitas inflamações da pele, é preferível usar compressas frias e leves.

 - Modo de Preparo e Dosagens Normais
— Fazer um chá por infusão ou decocção, na proporção de 1 a 2 colheres das de sopa por 200-300ml de água; umedecer nele um pano de algodão macio, aplicar nos locais afetados e cobrir com um pano de lã ou de tecido mais grosso, uma a três vezes por dia.

— Pode-se usar também a tintura de ervas, na proporção de 2 colheres das de sopa tintura para 1/4 de litro de água.

 CATAPLASMAS

As cataplasmas atuam sobre a pele e Órgãos subjacentes de forma semelhante à compressas. Por serem geralmente frias, aplicam-se de preferência sobre inflamações geral, feridas de difícil cicatrização e doloridas, contusões agudas, etc.

A — Modos de Preparo
a) Aplicar as ervas frescas e bem limpas diretamente sobre as partes afetadas. Repetir a operação com ervas frescas aproximadamente 20 minutos após.
b) Aplicar as ervas frescas, bem limpas e amassadas (até adquirir uma consistência pastosa) diretamente sobre a pele ou envoltas em tecido macio e fino. Repetir a (operação com ervas frescas aproximadamente 20 minutos após.
c) Na falta de ervas frescas, envolver as ervas secas em tecido macio e fino, costurar em volta fazendo um saquinho, mergulhar em água quente, espremer e aplicar sobre as partes afetadas; em seguida cobrir com um pano de lã ou de tecido mais grosso  e deixar atuar por 20 a 30 minutos.

 3B — Observações
— No preparo das cataplasmas devem-se usar de preferência instrumentos de madeira para evitar contato das ervas com metais.

 Dr. Jose  Caribé e Dr. Jose Maria  Campos

 
 
A medicina alternativa inclui práticas como a acupuntura, quiropraxia, uso de produtos herbários ou botânicos, terapias de massagem, hipnose, técnicas de respiração, meditação, ioga, dentre outras. Estas práticas não substituem, porém complementam a medicina tradicional, por isso podem ser chamadas também de Medicina Complementar. O tratamento alternativo deve acompanhado por um médico, por exame complementares. Se não melhorar os sintomas procure um médico.

As plantas medicinais, mesmo sendo medicamentos naturais, se usadas indevidamente podem intoxicar...
As informações contidas neste blog têm apenas fins educacionais e informativos para pesquisadores e estudiosos do assunto.
Consulte um médico ou um especialista em caso de doença.
 
Fonte: http://dharmadhannyael.blogspot.PT

Dicas verdes:

Como adoçar um chá: Os chás geralmente não precisam ser adoçados. Em alguns casos, porém, pode-se usar o mel quando se quiser aproveitar suas propriedades medicinais (gripes, tosses, etc.), mas só devemos adoçar depois de coado, quando o chá já estiver morno, nunca antes, pois o calor destrói o poder medicinal do mel.

Qual é o Prazo de validade: Nunca use um chá mais de 24 horas depois de preparado, pois ele entra em processo de fermentação (mesmo mantido em geladeira). Prepare a quantidade suficiente para um dia apenas.

Por quanto tempo devo usá-lo: Recomenda-se não usar o mesmo chá por tempo prolongado, pois o nosso organismo responde cada vez menos ao tratamento. Use por um período de 30 dias e troque por outro tipo de chá, retomando o seu uso após algum tempo.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...